sexta-feira, fevereiro 12, 2010

O Sol, quando nasce, é para todos

Entro numa papelaria para saber que livro a 1€ tinha saído com a Sábado desta semana e sou confrontado com uma multidão de pessoas a exigir o Sol. Quem olhasse para a rua, decerto concordaria com os pobres cidadãos, pois o céu apresenta-se cinzento, chuvoso e desagradável. Um poucochinho de sol não vinha mesmo a calhar mal. Mas não, esta gente não estava preocupada com as condições climatéricas: o que elas queriam na verdade era o jornal Sol, essa nhónhózice em forma impressa dirigida pelo direitalho arquitecto José António Saraiva.

E isto demonstra como o governo PS é estúpido, burro e otário, e deixo de fora o incompetente e o aldrabão porque isso é desde logo uma lapalissada. Já não bastava a treta que houve com o 24 Horas, esse exemplo de bom jornalismo, e com o telejornal da TVI, agora conseguiram fabricar mais um mártir na imprensa. O Sol, um semanáriozeco pouco mais que insignificante, foi agora elevado a paladino da liberdade de expressão, e tudo porque um certo engenheiro e seus acólitos têm cagunfa de deixar vir a público trafulhices que quiseram cometer.

O governo quis, pois, impedir o Sol de nascer, mas o resultado foi contraproducente. Agora as pessoas já não se limitam a esperar que o Sol chegue: exigem que ele chegue. No meio desta história, quem vai acabar com uma insolação é mesmo o PS e os seus boys. E é muito bem feito.

É a eles, a todos eles, fascistas travestidos de socialistas (ou será ao contrário?!), que dedico a letra que se segue, letra essa que pertence a uma música interpretada por esse autêntico mito do cançonetismo luso, Marco Paulo. Para todo o governo, militantes socialistas e qualquer pessoa que impeça a circulação de notícias, aqui fica Sempre que brilha o Sol [insert aplausos e gritos histéricos]:

Sempre que brilha o sol,
Naquela praia
Sinto o teu corpo vibrar,
Dentro de mim
O teu respirar
Os teus olhos
O cabelo
Os teus beijos
Eu estremeço
Oh! Oh! Oh!

Sempre que brilha o sol,
Naquela praia
Sinto o teu corpo vibrar,
Dentro de mim
O teu respirar
A saudade
A loucura
O deliro
Eu estremeço
Oh! Oh! Oh!
Amor...
Estou aqui na praia
Com este sol que me acompanha
E me queima...
E me queima...

Chupa-mos, Sócrates. Chupa-mos, governo PS. Chupem-mos, tribunais. O Sol e a liberdade de expressão por vezes podem ser uma merda (um queima-nos a pele e faz-nos suar em bica, a outra permite que gente estúpida diga coisas estúpidas) mas não podemos viver sem eles. Portanto, dêem lá liberdade de expressão ao jornal Sol e deixem-se de merdas. Têm medinho?! Olhem, não fizessem porcaria...

Bom fim-de-semana e ataquem muito o governo.

3 comentários:

Ilda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ilda disse...

Epá, fiquei um bocadinho assustada com isto! Tu sabes a letra do Sempre que brilha o sol do Marco Paulo??? Nunca me enganaste!
Vai na volta tb gostas do Toy, chupa!!!

Daniela Major disse...

Que o sol brilhará para todos nós!