terça-feira, junho 18, 2013

As minhas piadas secas são umas incompreendidas

Hora: durante o pequeno-almoço.
Local: casa.
Personagens: eu e a minha gaja com o filho ao colo.

Está a passar um anúncio qualquer na televisão onde são proferidas as palavras "infecção fúngica vaginal". Sequioso de saber mais, fiz à minha gaja a pergunta que qualquer pessoa ignorante no assunto faria:

- Gaja, o que é uma infecção fúngica vaginal? É quando uma mulher está com cogumelos enfiados na c*na?!?!


Aparentemente, a minha solicitação de informação não foi bem entendida, porque fui dardejado com o olhar de tal maneira que ainda sinto pontadas pelo meu corpo inteiro.

Entretanto, passa outro anúncio, agora a uma loção ou a um protector solar ou algo do género. Enfim, qualquer coisa onde se diz "a sua pele está constantemente sujeita a agressões". Disposto a quebrar o gelo, resolvo atirar:

- Pois, é bem verdade. A minha pele está sempre a ser agredida. Ainda no outro dia fui pôr uma queixa na polícia, mas os tipos mandaram-me dar uma volta. Assim vai a justiça neste país...

Voltei a ser dardejado, e ainda estou para saber como é que a gaja não me deu com o puto na cabeça. E ainda resmungou coisas como "as tuas piadas secas andam mesmo secas", sem sequer pensar que o propósito de qualquer piada seca é precisamente esse, ser seca. Se uma piada seca tivesse piada de rir às gargalhadas, nunca seria uma piada seca.

Com tudo isto, descobri que, lá em casa, as piadas secas são discriminadas e incompreendidas, como se fossem um pouco ciganas. A diferença é que as minhas piadas secas não andam às naifadas nem aos tiros, nem sequer vendem produtos contrafeitos nas feiras. Mas que são muito mal vistas, ai isso são.

Onde é que está o Bloco de Esquerda quando é preciso? Quero alguém a defender as minhas piadas secas, já. De preferência, a Ana Drago e a Joana Amaral Dias...

1 comentário:

Piston Homem disse...

Mete-te na fila.
Estás atrás de mim.