sexta-feira, janeiro 28, 2011

Coisas estranhas: o caso do dedo do pé dormente

Não corro o risco de errar se disser que todas as pessoas já experimentaram a sensação de ter os pés dormentes. É algo que pode acontecer, com maior ou menor frequência, a qualquer um. A mim, já me aconteceu por diversas vezes. Agora, aquilo que me aconteceu ontem à noite, nunca antes me acontecera, nem nunca ouvi ninguém falar disso, nem sequer vi qualquer referência ao assunto na Crítica da Razão Pura do Kant ou na República do Platão, e muito menos nas Obras Completas do Peninha e do Morcego Vermelho: ficar não com um pé dormente mas apenas com o dedo grande!

Por mais bizarra, curiosa, e adjectivos sinónimos que eu poderia aqui mandar em barda mas não me apetece, que esta situação se apresente, ela é absolutamente verídica. Sim, fiquei mesmo com um - só unzinho! - dedo do pé dormente. O resto do pé estava normal, só aquele dedo grande é que tinha aquele formigueiro típico da dormência. "Porquê?", perguntei eu, mas não obtive resposta alguma. Talvez porque o meu dedo do pé não fala, talvez porque não lhe apetecesse responder, talvez porque é estúpido fazer uma pergunta destas a um dedo do pé adormecido... Enfim, só sei que não encontrei, e não encontro ainda, explicação para este facto que quase parece sair do domínio do absurdo. Ter um dedo do pé dormente é assim como, sei lá, estar no meio de uma entrevista de emprego e soltar um pum, é como ir a casa dos futuros sogros pedir a mão da amada em casamento e em vez do pedido sair uma declaração do tipo "eu sou gay", é como ter uma filha e baptizá-la como, hmmm... deixa-me cá ver um nome muita estapafúrdio do qual ninguém jamais poderá lembrar-se, ah, já sei, Lyonce Viiktórya.

É claro que depois de umas boas esfregas - e garanto que quase tão estranho quanto ficar com um dedo do pé dormente é passar um par de minutos a esfregá-lo - a dormência lá passou. Mas espero que seja algo que não volte mais a ocorrer. Porque é mesmo estúpido, valha-me Liédson...

Bom fim-de-semana e esfreguem muito os vossos dedinhos dos pés.

5 comentários:

Ilda disse...

Só tenho uma coisa a dize: eu já sabia!

Gonçalo disse...

Se mesmo assim ainda quiseres uma explicação científica, contacta-me! :)

Um abraço ;)

LOCAS disse...

Engraçado!!!!

comigo passa-se exactamente o mesmo, não é formigueiro que sinto, é o dedo mesmo adormecido, tem sítios (principalmente a parte exterior) que não sinto praticamente nada.

O que será??
Já descobriste mais alguma coisa?

Locas.....

Sir Jan disse...

Tambem sinto isso tem dias, nao tenho ideia do que seja

medicangra disse...

Tenho sentido o mesmo há já quase uma semana.
Alguém tem ideia do que possa ser?