quinta-feira, fevereiro 26, 2009

Se o Saramago escrevesse para jornais desportivos, a crónica do Sporting-Bayern seria mais ou menos assim:

Há jogos de futebol que são autênticas injustiças, pois a vida é injusta e o jogo da bola faz parte da vida, digo eu, que já ando cá há tantos anos que nem me lembro, assim como não me lembro da última vez em que mandei uma na Pilar. O encontro desta quarta-feira entre o Sporting de Portugal e o Bayern de Munique foi exemplo disso mesmo, revelador do flagelo provocado por uma sociedade desigualitária onde a diferença de classes impera. À classe dos teutões, que em tempos não tão antigos moveram terror e medo e armas e suásticas contra povos de várias nações, tudo à conta de um homenzinho ridículo que nem jeito para fazer o bigode tinha, e não estou a falar do camarada Estaline, não se ponham já com merdas ou escrevo um livro só com elogios ao comité central do PCP, à classe dos teutões, dizia, respondeu a falta de classe dos lagartos, que como répteis que são se limitaram a reagir friamente ao avolumar de golos na sua baliza, houvessem lido Marx antes do apito inicial e certamente os seus ânimos aqueceriam e resolveriam, heroicamente, distribuir golos pelos membros do exército panzer, e agora vou pôr um ponto final só para chatear, caraças. Como agravante da desigualdade entre uma equipa e outra, entre teutões e lusitanos, refira-se que estes possuíam no seu seio um jogador infiltrado, mas que grande filha-da-putice, de nome Rochemback, apelido evidentemente alemão, quiçá descendente de espiões aliados da CIA, alojados na RFA no combate à liberdade socialista vivida do lado de lá da cortina de ferro, e além disso o jogador em questão é um gordo de merda, distribuísse ele socialistamente pelos seus colegas subnutridos aquilo que come e outro galo cantaria, e agora vou pôr aqui um ponto final parágrafo porque já há muito tempo que não uso um e sinto algumas saudades.



O que mais deve indignar os amantes do bom futebol são as atitudes de teutões e lusos, que mostram com clareza meridiana até que ponto pode chegar a exploração do homem pelo homem, então não é que os lagartos faziam tudo o que os alemães mandavam, e eu a julgar que isto de os portugueses serem capachos de estrangeiros havia acabado com o Durão Barroso, mas afinal parece que me enganei, azar da merda. Foi assim que Frank Ribéry, francês colaboracionista na esteira do marechal Pétain, provando que a História até no pontapé na bola se repete, pediu ao Derlei, Dá-me a bola, brazuca dum raio, Dou sim, respondeu aquele, convencido ingenuamente de estar a cometer uma boa acção ao partilhar a bola com o seu suposto adversário, suposto porque entre povos não há adversários e sim uma imensa fraternidade debaixo do princípio comum da luta contra o patronato, só que o Ribéry nunca leu Lenine, e após ter recebido o esférico do Derlei, perguntou ao Polga, Polga, deixas-me passar, ao que aquele não só anuiu como se comprometeu a dar cabo do Tonel pelo caminho, e lá vai o Ribéry, esse agente colaborador, já lembra não só o Pétain mas também o Junot, vejam como se aproxima da baliza sportinguista, Tiago, abre as pernas para eu marcar, Abro sim, está bom ou queres mais, Não, está bom, e Ribéry chuta e Ribéry marca e golo do Bayern de Munique e pronto, bela merda, está tudo fodido, os mais fracos, por mais que lutem, hão-de acabar sempre por ser oprimidos pelos mais poderosos.



O que se seguiu no jogo foi nada mais do que o desfiar deste novelo traiçoeiro. O colaboracionista Ribéry marcou mais um, o polaco Klose que joga pela Alemanha, olvidando anos de sofrimento que o seu país passou à conta das forças fascistas e imperialistas nazis, meteu um golo em fora-de-jogo com o pénis, mas que caralho, era como se estivesse a dizer a todos os que assistiam, Tomem lá, vão-se foder, e os jogadores do Sporting impotentes face a tal ousadia ainda permitiram que o brochista do Luca Toni, italiano cabrão que revisitou o Eixo ao auxiliar com dois golos idiotas os teutões no massacre de 10 inocentes sportinguistas, não estou a contar com o Rochemback, já sabem, aquele barril é um infiltrado, actuassem os jogadores leoninos com foices e martelos gloriosos, imbuídos do espírito do proletariado, e haviam de ver se o resultado não seria outro, mas há pessoas em cujos corações a voz da revolta ainda não se instalou, o que é uma merda, mas também o que seria de se esperar num clube fundado por aristocratas, ora que porra!!!!

7 comentários:

Le Rachelet disse...

Assim até eu leria os segmentos desportivos: pouca bola e muito rastafulhar comuna velhinho do Restelo.

Ilda disse...

Pois, eu acho que colocaste pontuação a mais!!! Mas gostei, diverti-me a ler!

Daniela Major disse...

Concordo com a Ilda: tens pontuação a mais.
Mas começo a perceber porque qual a diferença entre os benfiquistas e os sportinguistas, para além dos primeiros practicarem mt melhor futebol do que os segundos, exceptuando claro alguns pequenos deslizes. A verdade é que para nós benfiquistas, o benfica nunca é uma merda. Dizemos que sim, por vezes exaltados, mas só admitimos isso aos benfiquistas. Um lagarto que diz: "O benfica é uma merda" leva imediatamente com um murro para e com "Não não o benfica é o melhor clube do mundo!!!"

E a verdade é que é. Um benfiquista a sério, sabe, tem a certeza que o Benfica é o melhor clube do mundo.

Vocês, lagartos, o sporting perde 5- 0 e dps passa logo a ser uma merda, o clube, os jogadores etc.

Entendes agora porque razão é que o benfica é efectivamente o melhor clube do mundo?


(outra coisa, anedota engraçada: Paulo Bento dorme descansado quando a sua mulher o acorda e diz: Querido já são seis.
Ele respondeu: O quê? Já SEIS?

Inês Brito disse...

O Saramago não escreve de forma tão coesa. Se eu tivesse de jogar com um gajo tão feio como o Ribéry certamente que faria tudo para que ele saisse do jogo contente, não fosse ele assombrar-me à noite!

Bj,
(i)

Ninja! disse...

hehehe! Não teria o próprio Saramago feito melhor! (ou pior, entenda-se!) :P

Abraço.

NUNIX disse...

Muito bom Senhor Peter of Pan! Muito bom! :)

LOL

Peter of Pan disse...

@Todos: Viva o Sporting! E o Saramago também!