terça-feira, maio 26, 2009

Deus não existe, mas isso não o (desculpem, O) impede de ser uma besta (desculpem, Besta) do caraças!

A irremediável prova da não-existência de Deus está no recente confronto entre Manuela Moura Guedes e António Marinho Pinto no jornal da TVI de sexta-feira passada. Deus, se realmente existisse, teria pura e simplesmente impedido que um encontro daqueles tivesse lugar, ou pelo menos havia mandado um raio que estilhaçasse o estúdio onde o jornal estava a ser gravado. Os benefícios seriam óbvios: acabava-se com a Moura Guedes, acabava-se com o Marinho Pinto, acabava-se com o jornal da TVI e, com sorte, com o Eduardo Moniz que, com o susto, sofria um ataque cardíaco. Isto é que seria um Deus como deve ser, mas fez ele alguma coisa?!?! Nada, nicles, pevas! Nem uma palha, o que é prova mais do que suficiente de que não existe.

"Ah", perguntam vocês, "mas isso é absurdo. Há coisas mais dignas da atenção de Deus do que um reles programa noticioso. A fome em África, por exemplo. Ou as guerras." E eu digo para vocês se calarem. Em primeiro lugar, porque a fome em África e as guerras continuam por exterminar, e em segundo lugar, porque por maiores que sejam (e são!) esses flagelos, em termos de provocar irritação, não chegam nem aos calcanhares do debate Moura Guedes X Marinho Pinto. A fome em África dá pena? Dá! As guerras chateiam? Sim! Mas irritar, irritar mesmo à séria, nada supera a arrogância do Marinho Pinto acompanhado do sorriso sardónico da Moura Guedes. Um Deus benevolente ainda permitiria o mal (por causa daquelas tretas do livre-arbítrio e os tomates), mas jamais permitiria que seres humanos se sujeitassem aos níveis de irritação provocados por uma conversa, ou algo do género, entre uma jornalista pivot que tem uma boca de meio metro e um bastonário que tem o rei na barriga. Adaptando um famoso argumento (atribuído a Epicuro) contra a existência de Deus, pode-se pôr as coisas nestes termos:

Queria Deus impedir a conversa entre Moura Guedes e Marinho Pinto, mas não foi capaz?
- Então Ele não é omnipotente!
Seria Ele capaz, mas não o quis?
- Então Ele é irritante!
Queria e seria capaz?
- Então porque é que aquela porra foi para a frente?!
Não queria nem seria capaz?
- Então porque é que lhe chamam Deus, catano?!

E é isto, pá! Um Deus que existisse e fosse porreiro, teria actuado mais ou menos assim:

Deus: Ahhhh, as mamas da Leonor Seixas... Eh lá, que merda é esta? O bastonário da Ordem dos Advogados e a mulher do Eduardo Moniz estão a pegar-se?! Isto é muito, mas muito irritante! Há que acabar com tal palhaçada! Ó Jesus!
Jesus Cristo: Diga, pai!
Deus: Vai lá abaixo e pune aqueles dois estarolas!
Jesus Cristo: Ihhhh, tem de ser agora?!?! Deixe-me sossegado, não vê que estou a jogar Playstation aqui com o Moisés?
Deus: Olha-me o c#%$&!§@# do petiz. Anda um Deus a criar um filho para isto... Ó Maria!
Virgem Maria: Diga!
Deus: Aparece ali em baixo àqueles dois e acaba-me com aquela treta. Que irritação, sempre que ouço a Manuela a dizer "isso é a sua opinião" dá-me vontade de mandar um dilúvio!
Virgem: Ó Deus, mas eu estou tão cansada... ainda há uns dias obrigaste-me a ir de Fátima a Almada só para estar presente nas comemorações da estátua do nosso filho...
Deus: Ó que f#$#. Mas ninguém quer trabalhar nesta casa?!
Jesus Cristo: Papá, porque não manda o Espírito Santo tratar disso?
Deus: Schiu, 'tá calado, ó fedelho, não sabes que eu lhe devo dinheiro ao poker? Se ele me encontra, 'tou tramado...
Jesus Cristo: Mas pai, não é verdade que está em todo o lado?
Deus: Sim, mas o Espírito Santo não sabe disso.
Jesus Cristo: Ahhhh...
Deus: Bom, parece que tenho de ser eu próprio a tratar do assunto... É o que dizem: quando queremos um trabalho bem feito, temos de ser nós próprios a fazê-lo. Cá vai raio!!!

E zás, Manuela Moura Guedes e António Marinho Pinto ficariam esturricadinhos. Mas vejam lá se foi isto que aconteceu! O tanas. Porque, pura e simplesmente, o Pai Nosso que está no Céu não existe. Que besta, pá...

9 comentários:

Lder JP Santos disse...

Completamente de acordo meu caro. E digo mais:
Se existe, tirou férias há mais de dois mil anos.

Mesmo assim, o estarola do Marinho bem que podia ter feito um favor à comunidade de gente minimamente inteligente cá do burgo, e ter enfiado dois sopapos na "Manela". Poupava no botox durante dois meses e a malta ria-se como nunca!

Rita disse...

Epá nem sei o que dizer apetece-me dizer bem deste post mas isso iria parecer mal...
Jokas

Pulha Garcia disse...

Genial nonsense. Eu acho é que Deus, depois das recusas de Jesus e Maria, iria ser forçado a chamar o Rambo. E aí iria acabar a palhaçada na estação de Queluz.

Alexandra disse...

Sou nova por aqui mas tenho a opinar sobre o assunto: Deus não existe,Virgens Marias só se comeram o padeiro antes do Espírito Santo e o Jesus Cristo era um menino com a mania que lhe batiam.

Gostei bastante deste post e vi apenas pequenos trechos da porcaria da conversa,acho que tu disseste tudo o que uma pessoa podia sentir ao ver a Manuela abrir a bocarra e o Marinho a "responder" :)

Piston disse...

Deus não largava as mamas da Leonor Seixas por tão pouco.

Peter of Pan disse...

@Lder: Epá, se o Marinho Pinto tentasse enfiar dois sopapos na Manuela, arriscar-se-ia a que esta lhe comesse a mão. Seria como tentar dar uma sapa num tubarão!

@Rita: E se disseres mal, parecerá bem?!

@Pulha: achas que o Rambo se meteria com a Manuela e o Marinho no estado em que estes dois estavam? Sempre seriam dois contra um...

@Alexandra: és bem-vinda. Haveria muito mais a dizer, mas a boa educação impede-me de o fazer.

@Piston: mas uma das vantagens da ubiquidade reside precisamente em não ter de largar uma coisa para fazer outra...

Piston disse...

Acho que estás a desprezar o tamanho das mamas supracitadas.
Nem ele consegue dar atenção a uma segunda situação em simultâneo.

Daniela Major disse...

Deus é um gajo porreiro. Não fez mal nenhum à moura guedes para te dar a oportunidade de nos presentear com este texto :D

Peter of Pan disse...

Pois, é o que se chama escrever direito por linhas tortas...