sexta-feira, maio 29, 2009

Que moca de sono, pá.

Logo hoje que estava pensado escrever um post que iria salvar o planeta e todos os seus habitantes, incluindo o Vital Moreira e o bigode do Vital Moreira, vejo-me impedido de o fazer porque estou com uma pedrada de sono tão grande que não só não consigo raciocinar nem alinhavar ideias, como tenho até receio de cair com a tromba em cima do teclado! Desta feita, o post que salvaria a humanidade ficará adiado até à próxima semana, isto se as bebedeiras que estou a pensar apanhar hoje e amanhã à noite não matarem as zonas de massa cinzenta onde essa informação se encontra armazenada.

Mas que terríveis acontecimentos se deram para eu andar tão ensonado? Pá, muitos, mas todos eles têm uma única e maléfica causa: o calor que se fez sentir na noite passada. Quando me fui deitar, apercebi-me que o quarto e o próprio leito estavam tão quentes que dava para estrelar lá um ovo, isso se eu soubesse como fazê-lo, que não sei, por isso abri antes uma garrafa de cerveja. Liguei o ar condicionado e optei por ir tomar um duche, isto enquanto a minha legítima via televisão e bebia uma marguerita. Tomei o duche e regressei ao quarto, só para ser surpreendido com a visão da minha gaja toda nua e de copo vazio. Bom, se eu estava fresquinho à conta do duche, agora voltavam-se-me os calores, e vi-me obrigado a saltar para cima da minha gaja. Terminado o serviço uns bons 30 minutos depois, ala para a banheira outra vez, agora acompanhado. Chuá, chuá, chuá, mais um duche com água fresquinha, e retornamos ambos ao quarto, onde nos apercebemos que a treta do ar condicionado nos estava a pregar uma partida: não funcionava!

Irritado, tive de mandar abaixo mais uma bejeca. Desliguei a porra do aparelho e abri a janela do quarto para deixar entrar um bocadinho de ar fresco. Luzes e televisão apagadas, preparei-me então para dormir, e a coisa parecia estar a correr bem até começar a escutar um "bzzzzzzzz". Virei-me para a respectiva, só para constatar que dormia que nem uma pedra. O "bzzzzzz" continuava: concluí só poder tratar-se de uma melga, e se há algo que eu tenho a dizer sobre as melgas, é que quem pôs o nome de melga à melga acertou na mosca, desculpem, na melga. Aqueles "bzzzz"s estavam a tirar-me do sério e não me deixavam pregar olho; eu podia ter morto o insecto, mas a verdade é que vai contra os meus princípios tirar a vida a seres inferiores - por essa razão é que eu nunca fui capaz de esmagar o Miguel Portas debaixo dos meus pés, embora já tivesse pensado nisso.

Engendrei portanto uma artimanha: se não podia matar a melga, pelo menos poderia arrastá-la para fora do quarto. Foi o que fiz: levantei-me sorrateiramente da cama, escondi-me junto do guarda-fatos e, numa emboscada perfeita, aprendida à custa de observar atentamente as tácticas felinas das minhas duas gatinhas, consegui apanhar a melga. Fui para a janela, abri as mãos e libertei-a na vastidão da noite. Fechei tudo e deitei-me com mais uma cervejola, para compensar os líquidos desperdiçados na caçada. Parecia finalmente que tudo ia correr de feição e que poderia dormir o sono dos justos.

Vã ilusão: com a janela fechada, o quarto parou de arrefecer e pouco tempo passado assemelhava-se novamente a um forno. Desagradado, lá fui outra vez abrir a gaita da janela para que o ar circulasse na divisão. De raiva, saquei de outra bejeca e bota abaixo. Deitei uma olhada à gaja, que dormia como um bebé de fralda limpa; pensei, por malícia, em acordá-la, só para não ser o único a ficar em branco, mas abortei a má intenção porque se a minha gaja quando está bem disposta já é terrível, quando está de mau humor é a coisa mais parecida com os quatro cavaleiros do apocalipse! Joguei-me, cansado, para cima do colchão e fiz nova tentativa para adormecer. Debalde: 10 minutos após, o quarto é percorrido com vários "bzzz", "bzzzz", "bzzzzz". A puta da melga, aproveitando a janela aberta, estava de volta, e agora trouxera amigas! Já à beira do choro, vi-me forçado a tragar mais uma bebida de cevada e a pôr algodão nos ouvidos de modo a não escutar as melgas das melgas. Posicionei-me de barriga para baixo, enfiei a cabeça na almofada, esqueci tudo em meu redor e comecei a contar coelhinhas da Playboy.

Quando estava mesmo mesmo naquela fronteira ténue entre a vigília e o sono, quase quase a dormir, tocou o despertador. Apesar do algodão nos ouvidos, não consegui impedir que o perturbador alarmezinho me entrasse pelos tímpanos. Era o sinal de que já não havia volta a dar-lhe: tinha perdido uma noite de sono. A meu lado, a minha gaja levantava-se languidamente, bocejando. "Ah, dormi tão bem", disse-me ela assim que tirou o cu da cama. "E tu?", continuou. Limitei-me a olhar para ela, com estas olheiras de meio metro que insistem em não sair do meu rosto, emborquei mais uma cerveja, vesti-me e vim trabalhar.

E pronto, graças a isto estou aqui a cair para o lado... Hoje, prometo que vou dormir no frigorífico. Tenho é de comprar uma grade de bejecas antes.

Bom fim-de-semana e durmam muito.

11 comentários:

Salto-Alto disse...

Até eu quero dormir no frigorífico!:)

Catwoman disse...

Opa adorei looool. Vir aqui é sempre gargalhada na certa!!

Beijinhos :)

Ilda disse...

Por acaso dormi que nem un anjinho!
Hihihihihihi!

Rita disse...

Eu também estou com uma grande moca. Acordei às 4.30h da matina para pôr uma chucha numa boca e depois já não consegui dormir mais mas não tinha nem melgas nem calor...
Jokas

Peter of Pan disse...

@Salto-Alto: tudo bem, mas cada um dorme no seu, certo?! :)

@Catwoman: o que queres dizer com isso? Que a minha vida é uma palhaçada?!?! :(

@Gaja: e se fosses...

@Rita: ao menos tu foi por bons motivos. Agora eu?!?!

francis disse...

não ganhas prás bejecas, cá para mim isso foi tudo desculpa para mamares umas belas de umas bejecas, e já arranjaste desculpa para outra noite igual.

Alexandra disse...

Que pelo menos desta vez metas uma daquelas cenas electricas que afastam as melgas.
Sempre há a possibilidade de não as ouvires.

Catwoman disse...

Não! Não! Não!

Epa nem sei o que dizer lol ja bebe vinho demais agora lol.. não é palhaçada é divertimento lol.. é fixe vir aqui!!

Beijinhos :)

P.S: podias era tirar a verificação de palavras lol é uma seca.. principalmente depois de algumas garrafas de vinho verde..

Catwoman disse...

*bebi ehehehe

Peter of Pan disse...

@Francis: shiu, não divulgues o meu segredo...

@Alexandra: pá, mas essas coisas não as esturricam? Eu não quero matá-las.

@Catwoman: cuidado com o que bebes. Vê lá no que te tornas. Eu não tive cuidado quando tinha a tua idade, e agora estou no que estou...

Alexandra disse...

Nunca vi ninguém tão defensor da vida insecti(qualquer coisa).Até de melgas...enfim,não,plo que sei agora eles chamam-se repelentes eléctricos.Afastam-nas apenas da divisão onde tens isso ligado.