terça-feira, abril 07, 2009

Não há cu que aguente...

Fónix, passei um fim-de-semana bonito, passei... com uma dor de cu que nem imaginam!

Antes de se porem a pensar em coisas como "Ah, finalmente saíste do armário e andaste o sábado e o domingo a levar no pacote, meu panilas d'um raio! E depois vens para aqui queixar-te de dores no rabinho!", digo já para irem apanhar na bilha! Não foi nada disso que aconteceu!

Tudo começou no sábado de manhã, ou seja, na sexta-feira à noite. Fui presenteado com um magnífico mega-croissant com chocolate (quando falo em "mega", é mega mesmo, tipo três vezes um croissant normal que se vê nas pastelarias). Comi metade à noite, e deixei a outra metade para comer junto com o pequeno-almoço da manhã de sábado, apesar dos conselhos avisados que me davam (tipo: "tu não comas isso de manhã, vais ficar com dores de barriga"). É que homem que é homem não liga a conselhos avisados, vindos eles de onde vierem.

Portanto, comi a metade do croissant com chocolate no sábado de manhã. Portanto, fiquei com dores de barriga. Portanto, passei o resto da manhã na casa-de-banho. Portanto, caguei nos conselhos que me deram, e como resultado caguei-me todo.

Ao final da tarde, todavia, o meu sistema intestinal já se encontrava recuperado. Ou assim pensava eu... É que - coisas do destino - tive de me deslocar a um restaurante indiano para comemorar um aniversário. E o que acontece a qualquer pessoa num restaurante indiano? Pois: tem de comer qualquer coisa com caril, porque a única coisa que não leva caril, naquele universo gastronómico, é a água, e mesmo assim não sei. E o que faz o caril à barriguinha das pessoas, hum?! Pois, exactamente. E o que faz o caril à barriguinha de uma pessoa que passou a manhã desse dia a evacuar quilos e quilos de bosta? Pois, precisamente isso. Ou seja, passei mais tempo dentro do W.C. do restaurante do que a desfrutar da comida (deliciosa, não o nego, mas não muito saudável) indiana.

Assim, a minha zona esfíncteriana-anal teve uma nova recaída. As dores lancinantes perturbavam-me o cagueiro, e quando me fui deitar, tive de fazê-lo com uma almofada debaixo da peida.

Na manhã seguinte (domingo), acordo razoavelmente bem disposto, até tomar o pequeno almoço e pimba, ficar com vontade de fazer uma visita à senhora sanita. Lá voltaram as dores, lá voltou o tormento para a anilha, lá gastei mais 5 rolos de papel higiénico. Só pensava em quando iria este flagelo acabar.

A verdade é que lá para o meio da tarde a coisa aparentava realmente ter terminado. O almoço aguentara-se bem cá dentro, não tive mais cólicas, nem gases, nem nada. O cu parecia feliz, e quando o meu cu está feliz, eu estou feliz. Por volta das 5-6 horas, decidi aproveitar um bocadinho do sol que se fazia sentir no quintal, puxei uma cadeira, sentei-me e descansei. Só que a coisa não durou muito tempo. A lei de Murphy é uma coisa fodida, e quando algo tem de correr mal, algo corre mesmo mal: a cadeira na qual a minha peida estava sentada partiu-se e pumbas, já se sabe o que aconteceu. Isso: caí com o cu no chão! Esse mesmo cu que já tão maltratado fora...

Aos gritos e gemidos, nada mais pude fazer senão pegar num frasco de álcool e esfregar o cu. Porra, como aquilo doeu. Se eu sofresse de osteoporose, o mais provável era ter ficado com a peida partida aos mil pedacinhos! O que vale é que ainda o tenho resistente, a virgindade peidal faz bem à saúde, pelos vistos.

Seja como for, agora ando para aqui agarrado ao cu. Tenho dores em toda a zona envolvente ao ânus, e o próprio ânus não está lá muito bem, porque com tanta caganeira em tão pouco tempo, suspeito que o menino aumentou de diâmetro aí uns cinco centímetros (ou seja, cerca de 1/10 do diâmetro da anilha do José Castelo Branco). Já não me sento há dia e meio, e suspeido (não, não é uma gralha: é "suspeido" mesmo que quero dizer) que as minhas nalgas estão inchadas. De hora a hora passo uma pomada no cu e estou com cuidados redobrados na alimentação, tudo para evitar novos ataques de soltura. Se tudo correr bem, toda a minha zona traseira estará como nova em poucos dias. Haja cu que aguente!...


P.S.: Uma boa notícia: SIM! SIM! FINALMENTE COMPREI A PLAYBOY! Prometo colocar aqui um ensaio sobre a revista!

7 comentários:

Lder JP Santos disse...

Água de Arroz, meu caro... Ahhh e cadeiras decentes! lol

Um Abraço

Lder

Maestro disse...

Nada que uns beijinhos não curem...

Ilda disse...

Fonix!!! Beijinhos no cú????
Gajo, nem te atrevas a pedir-me uma coisa dessas! Ouviste???

spiegelman disse...

Foda-se... que post de merda...

Ninja! disse...

Que tareol levou o cagueiro! Espero que estejas melhor agora. =)

izzie disse...

Meu Deus... e lendo coisas destas... torno-me em mais uma coitada.
Pois é... com este post tão.... adjectival... fizeste-me stalk-ar-te.

Shame on you...

Beijinho,

Peter of Pan disse...

@Lder: grato pelos conselhos! O problema é que chegaram demasiado tarde...

@Maestro: tens razão, embora eu não queira beijos teus. Saudações academistas.

@Gaja: não, não te vou pedir beijinhos. Não no cu...

@Spiegelman: pá, ando inspirado, que queres?

@Ninja: estou melhor, obrigado. Tenho é, da próxima, de desenvolver uma táctica ninja de desaparecimento do cu.

@Izzie: peço desculpa.