segunda-feira, novembro 23, 2009

Confissões & Queixas

Confissão: Estou verdadeiramente viciado no joguinho de poker do Facebook. E o pior é que não consigo desligar daquilo e vejo-me a transportar todos os conceitos do poker para a realidade do dia a dia. Quando me perguntam se estou a fazer bem o meu trabalho, eu digo "Sim", o que é claramente uma jogada de bluff; quando a gaja me pergunta se eu quero ir com ela ao supermercado para ajudar a trazer os sacos das compras, eu lanço logo um fold, que é como quem diz "desisto!". Entre amigos, quando alguém se oferece para pagar as imperiais, automaticamente eu tiro o meu dinheiro todo da carteira e faço um raise, ficando todos a olhar com ar de parvos para mim... E quando a minha gaja se põe em cima da cama só em lingerie, levando-me a olhar para os seus seios, imediatamente solto "Um par de ases", e depois quando verifico a minha erecção, dá-me para gritar "Full House"! Será que preciso de ajuda profissional?

Queixa: E o nevoeiro hoje de manhã na margem sul, hum?!? Não dava para ver puto! Mas uma pessoa chega a Lisboa, pimba, o nevoeiro desaparece! Que raio de discriminação vem a ser esta, hã?! Já não basta termos apanhado com aquelas declarações do ex-ministro Mário Lino sobre a margem sul ser um deserto? Agora somos um deserto com nevoeiro? E se aparece por lá el-rei D. Sebastião? Pior, e se ele aparece mesmo ao pé de minha casa? Eu sou anti-monárquico, não quero essa gentalha lá ao pé de mim! (Porém, se em vez do Sebastião, aparecer no meio do nevoeiro a rainha da Jordânia só com um véu a cobrir-lhe o corpinho, eu prometo que até dou algum crédito à monarquia...)

Confissão: Isto é deveras intrigante: eu sou ateu, daqueles mesmo ateus, daqueles tão ateus que fazem o José Saramago parecer um padreco de província, mas ao mesmo tempo sou tão crédulo que até acredito na possibilidade de o Sporting não só vir a ganhar ao Benfica no próximo fim-de-semana como, ainda, que o clube de Alvalade irá conquistar o campeonato. Como é possível, na mesma pessoa, conviverem uma descrença tão aguda e uma crença tão ingénua?

Queixa: Hoje, enquanto me calçava, magoei um colhão. Tratou-se de uma descoordenação qualquer entre os movimentos da minha perna direita, da minha pélvis e da minha cintura que, conjugados, levaram a que eu entalasse o testículo direito entre o meu avantajado pénis e a virilha direita. Agora, dói-me. E de vez em quando, tenho de coçar esta zona. Infelizmente, os meus colegas de trabalho vêem nisto um sinal de má educação, e quando eu lhes tentei explicar que não, não estava a coçar os tomates só por coçar, que o propósito era, e cito as minhas próprias palavras, "aplacar a dor que eu tenho neste colhão, que hoje magoei de encontro ao caralho, foda-se!", eles não reagiram como eu esperava e apelidaram-me de ordinário. Cambada de filhos da puta...

Então bom início de semana e isso...

4 comentários:

Diaboderoupacurta disse...

Ops! Falaste em seios... :P

Ilda disse...

Confissão: da cada vez que te apanho no facebook a jogar poker só me apetece... nem sei bem o quê!
Queixa: deixaste de me dar atenção agora só tens olhinhos para poker, olha sabes que mais: poker+alho!

P.S. O Tiaguinho veio fazer-me companhia, toma!

Piston disse...

Aí essa linguagem!

Rafeiro Perfumado disse...

E lá se foi o contador pró... e é verdade, palhaço, atão não quiseste ir ao jantar de dia 21?