segunda-feira, março 16, 2009

Cortar a guedelha: subsídios para uma investigação pessoal

Cortar o cabelo é, a cada ano que passa, uma tarefa mais e mais deprimente. Em primeiro lugar, pelo simples facto de estar a perder cabelo, e de uma forma absurda, independentemente do tipo de champô anti-queda que usar. O crescimento da minha careca é, tal como o buraco da camada do ozono, fait accompli, e isso desmoraliza-me, em especial quando o tempo é mais fresquinho. Felizmente para mim, este ano o Verão parece que se antecipou, se calhar compadeceu-se e pensou "olha, aquele cromo vai rapar os poucos pêlos que tem em cima do crânio, vou chegar mais cedo e fazer uma bequinha de calor só para o contentar um bocadinho... depois quando ele for à praia, espeto-lhe um escaldão nos colhões, só para me divertir!" É um sacana, este Verão...

Outro aspecto que me deprime, para além desta coisa chata que é verificar o tamanho da minha zona carecoidal, é chegar à conclusão de que fiz mal em adquirir uma máquina de cortar cabelo. Contextualizo: comprei, no ano transacto, uma máquina porque pensei que assim iria poupar algum dinheiro, dinheiro esse que poderia perfeitamente ser mais bem aplicado na compra de cds. Além disso, a médio prazo, aquele investimento compensaria, pois os euros poupados em não ir ao barbeiro já chegaram para pagar a dita máquina. Só que esta história tem um senão. E esse senão é eu não conseguir cortar o pêlo a mim próprio, significando isto que tenho de pedir ajuda, significando isto por sua vez que tenho de pedir ajuda à minha gaja.

E é aqui que um simples corte de cabelo se transforma noutra coisa. Não é que a minha gaja corte mal o cabelo, bem pelo contrário. Aquilo fica fixe, sem dúvida. O problema é que a minha gaja, tal como todas as outras gajas, quando se vê numa situação de poder, abusa. Lembram-se das sábias -e tão repetidas - palavras de Lord Acton: "o poder corrompe, e o poder absoluto corrompe absolutamente"?!? Lembram-se? Pois é verdade! O poder corrompe. O poder absoluto corrompe absolutamente. E o poder absoluto, nas mãos de uma gaja que ademais se encontra munida de uma máquina de cortar cabelo, além de corromper absolutamente, é um perigo do caraças para os gajos que estão sentados e descansados a ver o cabelo cair a seus pés. É que a minha gaja, mal acabou de me rapar a cachola, atacou logo:

Gaja: Bom, já está. E agora, vamos tirar esses pêlos do sovaquito, vamos?
Eu: Fónix... Para que é que é isso? Deixa lá estar os bacanos...
Gaja: Não! Vou tirar-te esses pêlos, é mais higiénico e bonito.
Eu: Só se for numa gaja. Não tiro os pêlos dos sovacos coisa nenhuma! Tens de parar com essa mania de me transformares num metrossexual.
Gaja: Não te estou a transformar em nada. Mas vou tirar-te esses pêlos!...
Eu: Não vais nada! Quem manda nos meus pêlos sou eu, e se eu digo que não os tiras, é porque não os tiras mesmo!!! Ai o c...!
Gaja: Ouve: quem manda nos teus pêlos és tu, mas quem tem a máquina sou eu, e se não me deixas passá-la pelos sovacos, juro pela minha saúde que te faço passá-la pela picha!
Eu: Amorzito, não me queres rapar os sovacos?!

Horrível, não é? Ainda bem que só volto a cortar o cabelo daqui a uns 4 meses...

P.S.: Parece que houve um terremoto ontem no Alentejo. Finalmente algo fez mexer aquela gente...

6 comentários:

Rafeiro Perfumado disse...

Tu rapas os pelinhos do sovaco? Frouxo, era ameaçares que se ela tos cortasse, um destes dias acordava careca! Era o que mais faltava, olha que dás por ti está a pintar-te as unhas!

Rita disse...

E se fôr ao contrário e ela decidir deixar crescer os pêlos dos sovacos dela? Se calhar não gostas não é e se começar também a deixar crescer os pêlos das pernas...
Jokas

Ilda disse...

Eu, com a máquina na mão sou uma maluca, tiveste sorte de não te retirar tb os dos peito e das costas!!! Ah, e os das pernas e por aí fora... e a ideia do refeiro de te pintar as unhacas tb me parece boa!

Peter of Pan disse...

@Rafa: pá, não lhe dês ideias.

@Rita: mas essa é uma das coisas que separa gajos de gajas. As gajas querem-se fofinhas e desprovidas de pêlos, os gajos não. Eu, por exemplo, gosto dos meus homens bem peludos.

@Gaja: vou vender a máquina e voltar a ir ao baieta...

Daniel Silva disse...

"zona carecoidal", - está de morte...

Mas melhor (ou pior) ainda é a tua tirada final sobre o pequeno terramoto... looool

de Marte disse...

Tou a ver que a gaja andou a seguir os conselhos que lhe chegaram de marte...
Uuuuuuuuui, ca bom! :)