terça-feira, abril 22, 2008

Lúcidos comentários acerca de O Amor e a Vida Real

Estreou na passada semana a comédia romântica O Amor e a Vida Real, tradução estúpida do original Dan in the Real Life. Eu fui ver, porque tem a Juliette Binoche, de quem sou particular admirador desde há muitos, muitos anos, tipo desde que lhe vi as mamas n’A Insustentável Leveza do Ser (sim, a adaptação do livro do Kundera). Para aqueles que não viram ainda, digo-lhes apenas que é um filme algo delicodoce, aqui e ali divertido, que vive dos desentendimentos entre o protagonista (Steve Carrell), as suas três filhas e a personagem de La Binoche, por quem Carrell está apaixonado mas não deveria estar. Mas isto é só blábláblá, porque aquilo que me cativou no filme NÃO foi o argumento, NÃO foi o desempenho dos actores, NÃO foi a realização, NÃO foram as piadas, NÃO foram os efeitos especiais, foi apenas uma coisa, e essa coisa vem já, já abaixo:



Caramba, como a Juliette Binoche continua liiiiiiiiiinda!!!!! Nem se notam os 44 anos que já leva em cima! Charmosa, elegante, bela, sexy, cheia de classe… Isto sim, é que é saber envelhecer. Uuuuuuufffffffffff! E eu que prometi nunca mais comer francesinhas na vida... :(


Tanis

3 comentários:

Ilda disse...

Sabes que mais? Eu acho que tu sofres "daquele" problema de gostar de gajas mais velhas!
Por acaso reparaste bem na "brasa" que estava ao teu lado!? Reparaste, reparaste?!

Peter of Pan disse...

Curioso, agora que falas nisso... a brasa que estava ao meu lado também era mais velha!

:O

miguel disse...

Francesinhas é em Braga, no ATRIUM CAFÉ, perto da Makro, em Lamaçães, na zona dos hipermercados. Já vi na net as coordenadas GPS para chegar lá. É procurar... Uma delícia!