terça-feira, setembro 06, 2005

Jasmin aos molhos!

"Que tal uma relação sujeito-objecto?"

A menina da foto dá pelo nome burguês de Jasmin St. Claire. Possui, para além das que são visíveis na imagem, duas grandes qualidades:
1) É uma notável e corajosa actriz pornográfica.
2) É uma incansável divulgadora/promotora do heavy metal mais extremo e barulhento.

1 e 2 mostram que a rapariga gosta mesmo de jogar duro. Só por isso tem todo o meu respeito. É assim mesmo, Jasmin! Já agora, posso dar-te de/com força?(1)
__________________________________
(1) Esta última frase constitui uma homenagem a um sketch dos Gato Fedorento.

Eterno Entorno

11 comentários:

redbackspider disse...

Não sei se seria boa ideia essa da "relação sujeito-objecto"...é que segundo a Fenomenologia o objecto é apenas o objecto conhecido, é o que aparece, o fenómeno...senso o sujeito SÓ uma consciência que conhece, não sei se seria interessante tal relação....tsssss...duvido...eheheheh

radioapilhas disse...

Alguém aqui percebe tanto de fenomenologia como de lagares de azeite...
Quanto à Jasmin... bem isso é coirão velho do porno. Há já muito melhor e muito menos gasto. Mas gostos são gostos. Eu vou mais para o lolita style.

Eterno Entorno disse...

As lolitas são engraçadas, mas têm o pequeno problema de dar cana ou, pelo menos, uma grande chatice em tribunal.

Quanto ao problema da relação sujeito-objecto ser apenas referente ao conhecer: não faz mal, eu não separo theoria de praxis. O conhecer já é um agir (or something...)!

radioapilhas disse...

os meus comentários relativos a fenomenologia visavam apenas o redbackspider, para que não subsistam mal-entendidos.
Não gosto mesmo é da Jasmin, devo confessar...

redbackspider disse...

Parefe-me é que de duas uma: ou as minhas palavras foram bem mal entendidas, ou o radioapilhas é que tem de rever os seus (pretensos) conhecimentos filosóficos...

Eterno Entorno disse...

Isto promete... :)

radioapilhas disse...

A fenomenologia surge num contexto em que a tese sujeito-objecto (ou "portas e janelas", como preferires) gerava unicamente duas coisas: ou realismo ou idealismo (nas suas inúmeras versões e lados b). Ora a primeira coisa que a fenomenologia faz (o que não é de todo novidade, pois desde Platão que o inquérito continua o mesmo, mas ganha um sentido diferente à luz da interpretação fenomenológica) é pegar na relação sujeito-objecto e submetê-la a análise como qualquer outra tese (porque, de facto, ela é como qualquer outra tese, com a enormíssima (des)vantagem de servir de suporte estrutural a quase todas as restantes). Desde logo falar em sujeito e objecto num contexto fenomenológico é voltar à vaca fria (a posição primeira e inconspícua sobre a natureza do conhecimento, a tal dita relação). Sem querer ser ofensivo - já o semi-fui uma vez - estou certo que sabes isto tão bem como eu sem te dares ao trabalho de o expores como deve ser.

redbackspider disse...

Exacto. Nem este me parece ser o sítio próprio para "expor como deve ser" o que quer que seja. Gosto de passar por aqui com frequência porque acho que este blog tem bastante nível e prima por um humor fora de série. Agora é bom que as pessoas sejam humildes e não se "empoleirem" em cima de coisas que julgam tão bem saber!...Afinal, essa parece-me ser a atitude mais anti-filosófica que existe. Por outro lado, há também a questão da educação que sempre fica bem. Parece-me ser um mal da nova geração que tudo julga dominar, mas que quando nasceu, já a minha lia Platão...
É só isso...

radioapilhas disse...

No harm taken. Na verdade, o que interessava mesmo era concordarmos sobre a gaja (o que já se viu ser impossível). Pelo menos concordamos sobre a fenomenologia e sobre o facto de eu ser - mais vezes do que aquelas recomendáveis - uma besta.

Eterno Entorno (o pacificador) disse...

Ainda bem que o colega radiofónico e a colega aracnídea chegaram a um consenso. Olhem que este blog serve para rir às custas da filosofia, e não para as pessoas se chatearem. Para isso, já bastam os ensaios filosóficos... :)

Ginja disse...

Epá, a gaja é feiosa todos os dias e não há muito mais a argumentar . É objectivamente um susto. Eterno Entorno, tss tss tss, sempre julguei mais refinado e afinal enganava-me ...