sexta-feira, novembro 25, 2005

Futuro diálogo entre Harry Potter e Lord Voldemort

Uma vez que está aí o filme, e tendo em conta que o mais recente livro da saga, Harry Potter and the Half-Blood Prince, foi uma ligeira decepção, dou desde aqui uma ajuda à J. K. Rowling. Trata-se de uma proposta para um diálogo face-to-face entre o herói e o vilão, diálogo esse que constituiria o clímax da aventura. JayKay, se me estiveres a ouvir, podes usar este texto à vontade. Eu não te acuso de plágio, prometo; faço isto porque sou um tipo altruísta, nada mais.

Harry encontra-se sozinho no campo de Quidditch, admirando amavelmente toda a paisagem que o envolve. Este é um daqueles momentos raros de felicidade experimentados pelo rapaz que nunca conheceu os pais. Harry saboreia-o, melancólico, mas também de coração firme e decidido. Porém, algo perturba os pensamentos de Harry: ouvem-se passos. O pequeno feiticeiro volta-se e encontra o seu inimigo, a sua maldição: Lord Voldemort aproxima-se! Antes que o nosso herói possa esboçar qualquer reacção, Voldemort fala:

— Então, chavalo?!?! Voltamos a encontrar-nos. Infelizmente para ti, pela última vez! Ah! Ah! Ah!
— Ouve lá, tu és um bocado ridículo. Não tenho medo de ti, paspalhão. Sou um herói bonito e charmoso e além disso possuo óptimas capacidades ao nível da feitiçaria. Se fosse treinador de futebol, chamar-me-iam José Mourinho!
— "Futebol"? O que é isso? Estás a querer enganar-me? Quem é esse Mourinho? Algum amigo do Dumbledore?
— O futebol é um jogo muito apreciado pelos Muggles. Se queres saber mais, liga a SportTv.
— Basta de truques, puto! Não tens escapatória. Vou destruir-te, por fim. Ah! Ah! Ah!
— Ah é, ah é?!?! Então prepara-te para o combate final, cara-de-solha!

Dito isto, Harry e Voldemort sacam das respectivas varinhas, iniciando o duelo decisivo entre o Bem e o Mal.

— Ah! Ah! É agora, miúdo! Estás lixado: Cruciatum!
— Nem penses! Impedimenta! Vês? Não me acertas! Vai mas é levar no rabo!
— Não vou! Esse tempo já passou. Deixei-me disso!

O quê? Voldemort acabara de fazer uma revelação surpreendente! Harry ainda esboça um esgar de espanto mas, resolvido a não dar tréguas, insiste:

— Com que então o menino Voldemort andou a dar a anilha!... Lindo, pá. Então toma lá este feitiço que acabei de inventar: Biqueirumnostomatiis!
— Não! Não! Quer dizer... Impe... Ai, cabrão, já me acertaste nos colh...[censurado]! Porcaria!
— Eh! Eh! Vou contar isso a toda a gente, em particular aos maricas dos teus seguidores! O que o grande Salazar Slytherin não diria... Vergonhoso.
— Nãããão! Não faças isso, peço-te! Eu admito, sou gay, mas não contes a ninguém, por favor!
PAPA BENTO XVI: — Desculpem a minha intromissão, estava aqui por perto e resolvi aparecer. Mas o que ouvi eu? És gay? Nós não queremos feiticeiros invertidos. Estás excomungado, ponto final! E acabou-se também esta história, pois está a ficar demasiado abichanada. Andor, raios parta!

E assim acabou a vilanagem de Voldemort, aliás, "Voldy". Humilhado pelo ex-cardeal Ratzinger, o feiticeiro maligno emigrou para Portugal, onde arranjou um biscate como dançarino no Queen's. Finalmente Harry Potter pode ter a paz que tanto fez por merecer...

FIM

Eterno Entorno

4 comentários:

Luis disse...

FABULOSO!!!

Ginja disse...

Lindo, pá, adorei !!!!

luisfernandes disse...

tao stor tem aki estas obcesnidades e n diz nd. loool
ta excelente

AAw disse...

HAHAHAHHAHAHAHA
Biqueirumnostomatiis!