quarta-feira, junho 17, 2009

Da série: no shit, Sherlock?!?!

Há pessoas que falam apenas por falar. Pessoas que prestam informação - se é que podemos chamar aquilo de "informação" - completamente desnecessária. Enfim, todos nós já conhecemos gente assim, gente que foi parodiada no famoso sketch dos Gato Fedorento: "falam, falam, falam, falam"...

Mas há um subgrupo, dentro da informação desnecessária, que é a informação óbvia. É o tipo de coisa que alguém não precisa mesmo de dizer, porque já há muito se percebeu só de olharmos para a pessoa em questão . Ilustro-vos a situação com o seguinte caso, ocorrido ontem comigo: chega-se uma senhora junto de mim e atira simplesmente, com aquele sotaque carregadíssimo e típico, um "Oi, eu sou brasileira e..."

Mandei logo tudo parar por ali! Afinal, que necessidade tinha a senhora de afirmar a sua nacionalidade, quando aquela pronúncia e o jeito de actriz acabada que faz novelas de segunda para a TV Globo já a tinham denunciado? Para quê chover no molhado? O que a fez pensar que eu a poderia ter confundido, sei lá, com uma uzbeque? Ou uma tailandesa do sul? Para quê atirar o óbvio de que era brasileira?!?!

Procedendo a algumas analogias, a gaja ter-me dito que era brasileira - quando, a partir do momento em que abriu a boca, quiçá até antes, tal era mais do que evidente - seria equivalente ao José Castelo-Branco, numa marcha gay, e vestido (?!!?) só com uma cuequinha fio dental (perdoem-me a imagem horrível), vir dizer "Olá, eu sou bichona e...". Ou o Pinto da Costa, recostado na sua cadeira do Estádio do Dragão", virar-se para o presidente de um clube estrangeiro e falar "Olá, eu sou corrupto e...". Ou o José Sócrates, numa conferência de imprensa, iniciar o discurso com um "Boa tarde, eu sou uma besta e...".

Ou seja, são coisas que se percebem logo! É para isso que servem os estereótipos: uma senhora que passeia num jeito gingão e, mal abre a boca, sente-se logo aquela musiquinha do Brásiú, não precisa de "informar" que é brasileira. Portanto, poupem-se ao trabalho. Digam só o que é essencial. Informações desnecessárias e óbvias são precisamente isso: desnecessárias e óbvias. Só servem para encher. Mais vale calarem-se! Eu, embora não precisasse de dizê-lo, ficarei agradecido!

5 comentários:

Daniela Major disse...

LOOOL muito bem!

papagaio disse...

e ainda ha mais ..e aquelas pessoas que agora teimam meter a profissao no nome?
quando fui ao consultorio por causa dos dentes ela apresentou-se como amelia sou dentista....enfim merdiçes

Ninja! disse...

Hehehe! Gostei de ler, está muito bom Sr. Peter. =P

Peter of Pan disse...

@Daniela: grato.

@Papagaio: exacto.

@Ninja: obrigado.

(viram? respostas nada desnecessárias, contendo só o essencial) :)

de Marte disse...

no shit, einstein!!!

muito bom!