terça-feira, junho 16, 2009

O "FODA-SE" perfeito!

O

Quem me conhece, sabe que sou um indivíduo extremamente correcto e bem educado. Sim, é verdade: sou daquelas pessoas incapazes de ultrapassar as 400 caralhadas por minuto durante a visualização de um jogo de futebol, o que é um sinal claro da minha elevação (normalmente, fico-me pelas 105, quando o Sporting está a ganhar, e pelas 372, quando o Sporting está a perder). E torço, aristocraticamente, o nariz a quem profere asneiras de forma gratuita, porque considero que as obscenidades têm o seu lugar próprio, como os jogos de futebol - lá está -, ou as ocasiões em que se tem sexo. Ou, ainda, quando o Paulo Portas aparece na televisão.

No entanto, e apesar de toda a minha distinção, não posso esconder que aqui e ali solto uma alarvidade extemporânea. Sou humano, no fundo, e qualquer ser humano tem os seus momentos de fraqueza e de queda.

Foi o que me aconteceu há uns dias, mais precisamente a 11 de Junho, em que lancei um "FODA-SE" que não devia, mas que tinha de sair. Necessariamente. E foi um "FODA-SE" como não há memória...

A coisa conta-se assim: nos últimos tempos, andei com movimentações domésticas, é dizer, pinturas, limpezas, desarrumações/arrumações, mudanças, decorações e por aí vai. As quais, acrescente-se, tomaram vários dias. E como acontece com qualquer pessoa que não possua o físico similar ao cruzamento entre um gorila macho e um bisonte, fiquei de rastos com tanto puxanço de cabedal. Muito bem, naquele fatídico 11 de Junho o cabedal foi esticado até ao seu limite, e se o panasca do Variações cantava "quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga", eu afirmo peremptoriamente que o inverso também tem o seu quê de verdade, pois o cansaço que se fazia sentir no meu corpinho reflectiu-se, e muito, no meu juizinho. Ah, e eu, ao contrário do variações, não sou panasca!

E foi assim que, ao final da tarde, entrando já o crepúsculo pela janela, e após um dia em que movi estantes, mesas, armários, mais estantes, livros, cds, mais mesas, cadeiras, caixas e caixotes, mais livros, mais armários, mais estantes, dvds, frigoríficos, mais mesas, e não sei o que mais, já não podia com uma gata pelo rabo. Além de que, nesse mesmo dia, um dos pneus do carro fez o favor de furar, o que implicou mais esforço físico, com a agravante de a merda da chave de parafusos ser uma... bom, uma merda! O esgotamento era total, pronto.

Só uma coisa me separava de um merecido descanso: montar o candeeiro de tecto na sala. Tarefa aparentemente fácil, e eu já sonhava comigo deitado no sofá, em repouso com um copázio de Pisang Ambon ao lado, finalizada a montagem do candeeiro.

O problema é que o filho de uma grandessíssima Paris Hilton resolveu não colaborar. Foi a cereja no topo do bolo das minhas acções físicas do dia, pois enfiar aquela coisa no tecto deu mais trabalho do que todas as outras coisas juntas - incluindo a treta da mudança de pneu! É que, para começar, os parafusos insistiam em cair. Depois, quando um dos parafusos finalmente encaixava, ao outro apetecia-lhe sair do sítio. Para mais, o suporte que ligava o candeeiro ao tecto deu também para cair. O próprio tecto, pintado de fresco há apenas algumas horas, já mostrava estar mais sujo e cariado do que antes de apanhar com tinta nova. Toda a situação começava a sair do sério: eu tinha de me equilibrar no escadote, forçar o candeeiro contra o tecto, agarrar na chave de fenda, nos parafusos, no suporte, nos fios e no raio que o parta. O suor escorria-me em cascata pelo rosto. Os braços doíam-me bem doídos. As pernas bamboleavam. Os joelhos cediam. E o cabrão do candeeiro nada de ir ao sítio!!!!!...

Até que tudo explodiu! Após uns bons 30-40 minutos de luta intensa, esqueci o candeeiro, esqueci o escadote, esqueci a minha gaja que também se encontrava naquela divisão, esqueci a minha sogra que estava nas imediações, esqueci os vizinhos, esqueci a neta da tipa da frente, que brincava prazenteiramente no quintal, esqueci tudo e mais alguma coisa e soltei, cá do fundo, cá da alma, o mais sonoro "FODA-SE" que se possa imaginar! Foda-se, aquele "FODA-SE" foi lindo! Foi perfeito! Se houvesse uma bola de ouro ou um prémio Nobel para os foda-ses, este teria ganho, limpinho. Tudo se conjugou maravilhosamente ali: a raiva e o sentimento com que proferi aquelas três sílabas, o volume altíssimo em que a palavra troou, a acústica, tudo, tudo, tudo foi brilhante naquele momento.

E que bem que soube. Sublimação, catarse, libertação... pensem no que quiserem, pois foi tudo isso que aquele "FODA-SE" provocou em mim, apesar de, lá em baixo (eu continuava em cima do escadote) a minha gaja ter ficado de boca aberta por uns bons 5 minutos. Eu jamais mandara um "FODA-SE" com aquela pujança, nem quando o Sporting perdera 6 a 3 com o Benfica em pleno Alvalade. Nem quando Portugal comeu 3 a 2 dos amerdicanos no Mundial de 2002. Nem quando soube que a Monica Bellucci casara com o Vincent Cassell. Não: este foi O "FODA-SE". Foi o pai de todos os foda-ses. Foi The One! Este "FODA-SE" valeu, na boa, 94 milhões de euros. Não sei se o Real Madrid não faria melhor em vir buscá-lo do que ao Cristiano Ronaldo...

Além de ter sabido bem, funcionou. O candeeiro, desconheço se intimidado por aquela palavra tão emocionalmente proferida, lá se resignou e entrou no sítio. E pude finalmente obter o tão merecido descanso, mesmo debaixo dos olhares esgazeados e amedrontados da minha gaja, que devia estar a perguntar-se, naquela hora, "onde é que eu me fui meter?". Mas eu caguei, foda-se, pois aquele "FODA-SE" foi tão fodidamente fodido que atingi um estado que a malta habituada às tangas new age só pode apelidar de zen. Foi precisamente assim que fiquei, tudo graças àquele "FODA-SE" perfeito, àquele "FODA-SE" sem igual!

E foi isto, foda-se.

14 comentários:

Rafeiro Perfumado disse...

Como eu te invejo... no outro dia, no emprego, dei uma castanhada tal com o cotovelo que parecia ter colocado as mãos na usina principal da barragem do alqueva. Estava eu a formar o palavrão que se impunha quando olho em redor. Dez gaijas olhavam para mim, com as orelhas esticadas, esperando pela minha reacção. Teve de sair um "ai, que esta doeu"... é lixado trabalhar só com mulheres.

francis disse...

resumindo, Viva o Sporting, Foda-se.

Inês Brito disse...

Depois de fazer o exame de português de ler isto é que percebi que essa talvez fosse a palavra chave quando me perguntaram acerca do fingimento poético do Pessoa. Não sei se iria ter boa nota, mas iria saber mesmo bem na certa.

Bj,
(i)

p.s: 'oveties'? que raio de verificação de palavras é esta?

papagaio disse...

tens que começar a meter a tua senhora a fazer os trabalhos pesados,inventa dor de ossos e isso nao te volta a acontecer....depois é:foda-se que boa vida

Pulha Garcia disse...

Há que dar luta aos filhos da puta. Sempre ouvi dizer...

Rita disse...

Foda-se mais o candeeiro, não tens velas em casa???
Jokas

Ilda disse...

Oh, papagaio: Porra, ainda mais!? Se ele estava cansado que posso dizer eu que me levantei todos os dias ás 7 e me deitei todos os dias perto da meia noite sem parar, a não ser para fazer refeiçoes? O sr. Peter of pan trabalhou na sexta e isso ilibou-o dos trabalhos forçados em casa e no sábado dormiu até ás 10h tirando as sestinhas que fazia de vez em quando!!!
E eu nem um bom foda-se ainda consegui largar para fazer a catarse ou lá o que isso é!!!
FODA-SE!!!

Peter of Pan disse...

@Rafeiro: mas, com certeza, há pontos positivos em trabalhar com tão simpática vizinhança... ou não?!

@Francis: viva, foda-se!

@Inês: não me recordo se alguma vez mandei um palavrão num teste. Mas que também tive vontade disso, ai isso tive.

@Papagaio: a minha gaja já faz trabalhos pesados. Nomeadamente, atura-me!

@Pulha: sim. E nunca, mas nunca desistir. Nunca permitir que um filho da puta leve a melhor!

@Rita: sim, tenho, mas pensas que me arrisco a queimar a casa?! Com tanto papel que lá tenho?! Nunca leste O Nome da Rosa?

@Gaja: não te preocupes: o teu desempenho será alvo de um post num dos próximos dias!!!

Ilda disse...

Mas porquê?

frente_de_libertação_do_bigode disse...

A Causa Bigodal está de volta!

Obrigado por apoiares o Bigode!

Forte abraço (e sai mais uns pipis)

papagaio disse...

presumo caro amigo pan e cara amiga ilda que com tanto trabalho é possivel que nao tiveram tempo para fazer o amor?eheheh malditas obras

Alexandra disse...

Ui...cheira-me que nas limpezas de verão me esperam uns quantos "foda-se" por proferir.Pena é que não os possa libertar da minha goela ou levo um açoite de chicote dos papas ;)

Peixe Frito disse...

Adorei a bolinha no canto..!! loool Se não desse luta, não tinha a mesma piada xD Eu ainda não encontrei a situação do meu "F*da-se" ideal. Diabos te carreguem!! grrr ;)
Beijinhos.

Peter of Pan disse...

@Gaja: porque sim!

@FLB: contente por saber!

@Papagaio: pensas mal. Há sempre tempo para o belo do amor.

@Alexandra: isso é crueldade! Eu digo: "Soltem os foda-ses!" (cantar ao som de "Soltem os prisioneiros")

@Peixe Frito: isso não é um problema. A situação há-de um dia vir ter contigo, acredita!