segunda-feira, julho 13, 2009

Das incompatibilidades entre sono e trabalho

Das muitas coisas prejudiciais ao bom desempenho profissional, poucas sê-lo-ão tanto quanto o sono. Ter sono é dos maiores handicaps que pode haver em contexto laboral, ao ponto de eu pessoalmente achar que é urgente adoptar um conjunto de medidas de bom senso capazes de impedir que aquele factor continue a perturbar o normal funcionamento do trabalho. Penso, até, que tais medidas deviam assemelhar-se às que são tomadas aquando da contracção de doenças contagiosas.

No fundo, o que eu defendo é nada mais que isto: trabalhadores ensonados devem ser postos de quarentena e impedidos de ocuparem os seus postos de trabalho até ficarem sem sono. Parece-me perfeitamente adequado e justo. À semelhança de um indivíduo que tenha apanhado o vírus H1N1, o trabalhador com sono é uma ameaça ao correcto cumprimento de funções laborais - ameaça quiçá maior do que a própria gripe A.

Vejamos: um funcionário com gripe A encontra-se doente. Ora, um funcionário doente trabalha menos. E pior. Logo, a sua produção ressente-se.

Mais: um funcionário com gripe A representa riscos de contágio. Ora, um funcionário que vá trabalhar nestas condições pode passar o vírus a mais funcionários, multiplicando deste modo o problema.

Daí que qualquer governo, ministério da Saúde, sindicato ou patrão resolva o caso com uma medida muito simples: quarentena para o(s) funcionário(s) infectado(s).

Ora, a mesma solução adequa-se às pessoas que padecem de sono. Um funcionário com sono não consegue trabalhar como deve ser. Um funcionário com sono é um funcionário com defeito. Um funcionário com sono não consegue apresentar um bom produto.

Além deste simples e óbvio facto, um funcionário com sono contagia os outros funcionários. Só quem nunca esteve ao pé de um colega que boceja constantemente pode julgar que o sono não é contagioso. Assim, e à semelhança do que se viu atrás no caso da gripe A, um trabalhador com soninho pode multiplicar o problema da má produção ao passar o sono a outros trabalhadores.

Desta feita, se queremos um país mais produtivo, empregados mais satisfeitos e diligentes, empresas mais saudáveis, temos de adoptar a seguinte política que acima defendi: METER DE QUARENTENA TODO E QUALQUER TRABALHADOR QUE APRESENTE SINAIS DE SONO!

Sei que isto pode parecer insano, mas se reflectirem bem, faz todo o sentido. Para melhor compreenderem, apresento aqui uma intrigante imagem: o que preferiam vocês, que um mau condutor se metesse na estrada e colocasse em risco a vida dos outros, ou que esse mau condutor ficasse em casa? Pois o mesmo se passa com o trabalhador com sono: além de não trabalhar a ponta de um corno, mete em xeque o trabalho dos outros. Daí que seja preferível ficar em casa, a fazer óó. O país, os restantes funcionários e até o próprio tecido empresarial agradecem este tipo de profilaxia.

Concordam agora que a minha medida é, ao fim e ao cabo, uma excelente medida?!?! E que eu, ao fim e ao cabo, sou um visionário?!?!

(Pronto, confesso: na verdade, estou com esta lenga-lenga toda porque tenho sono. E preferia ter ficado em casa)

10 comentários:

francis disse...

eu acho que é a ressaca, mas quem sou eu para te contrariar pá.

Ilda disse...

Pois a fraquinha sou eu, mas quem está para ai cheio de sono és tu! Sinto-me só um pouquinho cansada, confesso!

Gabriela disse...

Sim... concordo plenamente com a tua teoria. Aliás, o meu caso seria de uma quarentena prolongada, pois são 14 e picos e ainda estou morta de sono...

Rita disse...

Eu arranjava uma quarentena vitalícia e nunca mais cá punha os pés. Estar com sono é o meu estado natural.
Quando estou assim mesmo muito mal e quase não consigo manter os olhos abertos em frente do monitor, vou até à casa de banho, sento-me na sanita e fecho os olhos por 5 ou 10 minutos e depois fico bem melhor...
Jokas

)0( disse...

Por acaso hoje estou especialmente sonolenta (já nem falo das perninhas moídas). Deve ser mal geral porque uma colega minha teve que ir molhar o trombil depois de almoço (que é quando elas mordem a sério!)

Alexandra disse...

E arranjaste pestanas para escrever este post?Fantástico!!!:o

Síndrome dos Trinta disse...

E o pior é que essa m**** é mesmo como a gripe - se não fôr bem cuidada, as recaídas são constantes!

S* disse...

O que uma pessoa escreve para vencer o sono... Não jogas com o baralho todo.

Peter of Pan disse...

@Francis: estás enganado, sou daqueles que nunca apanha ressaca porque ando sempre pedrado...

Peter of Pan disse...

@Gaja: sono não tem nada a ver com cansaço. Sono é um estado de espírito, cansaço é um estado de corpo.

@Gabriela: apraz-me ver que há mais defensores da tese da quarentena pelo sono!

@Rita: se eu fizesse isso, nunca saía do W.C.

@)O(: é o que eu digo! Deve andar por aí algum vírus! O sono é contagioso!

@Alexandra: é verdade, as coisas de que eu sou capaz!

@Síndrome: exacto! Eu estou sempre com recaídas de sono.

@S*: e ainda bem, não é?!?!