quinta-feira, julho 09, 2009

A Vita É Dolce (o pior são as gorduras acumuladas)


Não sei se já tiveram a oportunidade de visitar o novo antro de consumismo disponível em Portugal, o mega-Centro Comercial Dolce Vita. Eu já, precisamente no fim-de-semana que passou. Impressões? Poucas, e não lá muito boas. Deixo aqui os meus apontamentos:

1 - Aquela merda é de facto grande. Absolutamente descomunal. Havia necessidade de tanto?!

2 - Como é possível haver um país em que se pede o fecho de hospitais e maternidades por, argumenta-se, "estarem demasiado próximos uns dos outros e servirem o mesmo segmento da população" e abrem-se centros comerciais enormes a uma distância insignificante uns dos outros?!? No raio de poucos quilómetros quadrados (5 minutos de popó, se tanto...), temos o Colombo, o Dolce Vita e o Odivelas Park, além dos Estádios da Luz e Alvalade XXI, que possuem também um vasto terreno para comércio. Vá alguém perceber isto...

3 - Apesar de grande, o Dolce Vita nem por isso tem grande variedade. O comum: lojas de roupa aos pontapés, e pouco passa disto. Faz falta uma megastore tipo Fnac (mas não precisa de ser mesmo a Fnac, pessoalmente já estou farto do imperialismo da cadeia francesa...) onde se comercialize todo o tipo de produtos ligados à cultura, a saber, livros, cds e dvds. Ou seja, um sítio onde eu me sinta à vontade para gastar dinheiro...

4 - Percorrer o Dolce Vita é uma actividade desagradável. Não se trata apenas das dimensões: creio, isso sim, que a gerência exagera no volume da música ambiente e na potência das luzes. É extremamente chato andar pelos corredores a ver as montras das lojas, à procura de algo útil, e estar a apanhar com luzes directamente nas trombas e com canções dos Coldplay em altos berros. E se os Coldplay já são uma seca, então no Dolce Vita, com aquelas condições, tornam-se insuportáveis.

5 - Este é, talvez, o ponto mais importante. No Dolce Vita deparei com a maior concentração de baleias, focas e orcas que já alguma vez vi! Impressiona, e muito, a quantidade de carne gorda que por ali passeia, assim tão perto de nós, seres humanos. Atenção, não se pense que estou aqui a mandar bocas às pessoas gordas. Não há mal nenhum em ter excesso de peso ou umas gordurinhas a mais. Até é bom para variar da artificialidade ditada pelas revistas de moda. Um pouco de chicha nunca fez mal a ninguém e até é giro. Só que no Dolce Vita "um pouco de chicha" é algo que não existe, pelo menos no dia em que lá pus os pés. O que eu vi foram autênticas manadas de obesas mórbidas, daquelas que fazem o Jabba the Hutt parecer a Heidi Klum! Houve uma altura em que eu pensei estar no meio de um freakshow, não de um centro comercial. E ouve outra em que me imaginei dentro de um baleeiro, pronto a arpoar sem dó nem piedade aqueles seres agraciados com toneladas de banha. Juro: se eu tivesse de ganhar a vida na caça à baleia, podem ter a certeza certezinha que faria do Dolce Vita o meu território. O sucesso estaria garantido.

Mas vou dizer-vos o que mais dói no Dolce Vita. É a associação do ponto 4 (ser desagradável passear pelos corredores do centro comercial) com o ponto 5 (a proliferação de matacões idólatras do boneco da Michelin). Por uma qualquer razão obscura, e que devia ser alvo do estudo de filósofos, sociólogos, psiquiatras, políticos, neurocientistas e até engenheiros formados pela Universidade Independente, esta gente gorda adora vestir roupas apertadíssimas, mais apertadas do que o latex de uma prostituta. Irá sempre escapar-me, até que um dia me expliquem tudo muito bem explicadinho, o porquê de estas pessoas, ou lá o que são, envergarem tais indumentárias. Porque aquilo não é benéfico. Em primeiro lugar, não é benéfico para a saúde delas próprias, pois roupas excessivamente apertadas prejudicam o vai-e-vem do sangue pelo montanhoso e gorduroso corpo. Quer dizer, andou-se anos e anos a protestar contra a utilização de espartilhos pelas mulheres, e agora que as meninas (se é que se pode chamar a um mastodonte de 400 quilos "menina"...) estão livres dos espartilhos, divertem-se a estreitar as banhas com uns tops justíssimos e umas calças que comprimem mais matéria que o WinRar. Isto não pode fazer bem à saúde... à delas e à nossa, porque - lá está - a visão de várias gordalhonas vestindo roupinhas que só pensávamos servir às donzelas do Bunny Ranch é um atentado visual e estético, que prejudica - e de que maneira - o coração que qualquer pessoa detentora de bom gosto.

É sobretudo por este tipo de coisas que o Dolce Vita não é um local que eu possa aconselhar. Mantenham-se, pois, longe deste novo monumento capitalista. A não ser, claro, que queiram praticar o tiro ao alvo. Nesse caso sim, o maior centro comercial da Península é um sítio a ter em conta.

15 comentários:

S* disse...

Falta de espelhos em casa. As pessoas parecem nao se importar com a sua aparencia e acabam por fazer figuras ridiculas.

A moda não deve ser seguida por todos. Criem a vossa propria moda, aquela que se adequa ao vosso corpo, e serao bem mais bonitos.

francis disse...

Nunca lá fui, tinha pouca vontade de ir e agora ainda menos vontade tenho.



Oink.


de acordo coma análise a coldpaly.

Piston disse...

É exactamente disso que estava e estou à espera.
Não deixarei de me submeter a esse ambiente. Não se deixa que um acidente de viação nos seja contado por terceiros se temos oportunidade de o ver ao vivo.

Alexandra disse...

E tens sorte de só ter visto a migração anual das focas e cachalotes a esse Centro.Imagina essa migração e a juntar um bando de chungas e ciganos,et voilá...melhor é bem mais possível.

Alexandra disse...

Só um aparte,recomendas o filme "Hard Candy"?É que reparei que tinhas visto e sinceramente estou para o ver,mas não sabia se valia a pena ou não...

Ilda disse...

Para além de "focas" e afins também dei conta de outro tipo de animais... bom mas é melhor não dizer mais nada!
Té loguito!

A Besta disse...

Na minha última visita ao IKEA vi uma tipa de uns 120 kg que partiu pelo menos um braço ao cair das escadas, isto porque se partiu o salto alto. Que raio andava a fazer aquela gaja com saltos altos.

Rita disse...

Tu és mau, tu és muito mau. Mas eu também não quero ir ao Dolce Vita...
Jokas

)0( disse...

Já lá estive e concordo com a Ilda - aquilo é um verdadeiro Zoo.

Quanto à moda, estás a esquecer-te de um outro espécime: aquele que anda com as calças descaídas porque deve achar que o resto da população deve prescrutar-lhes atentamente o rego. Há nas duas versões - feminina e masculina.

Chrystiee M. disse...

oh, e eu que nunca gostei de centros comerciais!
imaginas o sofrimento em que estou neste momento? :D

há pessoas que não têm cabecinha nem consciência nenhuma :/ é tipo a Sra. Dolores Aveiro, mãe do meu querido-que-eu-não-gosto-nada-dele Cristiano Ronaldo ;P

C.Cruz disse...

Ainda não fui ao Dolce Vita, mas também não tenho muita vontade. E agora menos ainda! Acho que é mais do mesmo, sem necessidade nenhuma. Em relação aos mal vestidos, ainda acho pior aquelas pessoas que vão de calças de fato de treino da feira, chinelo de quarto (sim, de quarto, eu já vi) e a camisolinha de alças com os pelos de fora. Isso sim, é de valor!

Lder JP Santos disse...

Caro Peter:

Fazes-me cá vir todos os dias! ;)
E saio sempre daqui satisfeito :D

Para quando um compêndio, um ensaio, uma dissertação de 320 páginas, editada à revelia dos grandes tubares da edição literária? Para mais gente poder conhecer o teu génio, a tua prespicácia...

Eu estaria lá, à frente, para comprar o primeiro (de muitos que, acredito, se seguiriam)!

Um forte abraço e continua a escrever, sempre!

L

Maestro disse...

Desculpa mas alvalade parece mais um balneario publico que um centro comercial...

Isobel disse...

Em geral, odeio centros comerciais, sou uma freoz adepta do comércio tradicional. Mas, discordo ctg. Dos grandes espaços comerciais aquele até não é dos mais desagradáveis, porque tem um espaço aberto.
O estacionamento é confuso, a zona de refeições um pouco «atrofiada» e os corredores deveriam ser mais largos. ahhh e atenção às WC. Enfim. há bem pior. Centros comerciais o único com que simpatizo é o Fórum Algarve, não sei bem o nome...aquele à entrada de Faro porque é no fundo um espaço aberto (construido em torno de um atrium). Enfim,prefiro o comércio tradicional e respirar ar para além do condicionado.

P.S: Devias ter vindo ao lançamento do livro, o CP ainda defendeu a vossa Univ.
P.S 2: Aproveitei para o apresentar a tds como noivo ahahah do casamento já não se escapa!


Beijinhos para ti e para a tua senhora!

P.S 3: Espero que não tenhas assustado o bebé que foste ver ontem, acredito que tal tenha acontecido...

Isobel disse...

Faltou pontuação no meu anterior comentário. Espero que percebas.
Por favor, não causes traumas a bebés!