sábado, julho 09, 2005

Kant agraciado com o Prémio Chato 2005

O Prémio Chato, que nos últimos anos tem distinguido algumas das maiores estopadas da história da filosofia, foi finalmente atribuído ao alemão Immanuel Kant, pelo conjunto da sua obra. O júri vinha sendo criticado pelos kantianos há já muito tempo: advertiam estes que Kant, sendo unanimemente considerado um dos mais chatos pensadores de sempre, já merecia ter sido distinguido em ocasiões anteriores. Viktor Petrenko, presidente da Associação dos Amigos de Kant da Ucrânia de Leste (A.A.K.U.L.), considerou que o prémio peca por excessivamente tardio, sublinhando ao mesmo tempo ter sido feita justiça. Espera-se agora que a obra de Kant sofra uma revitalização, em particular as três Críticas, vistas como um dos maiores expoentes da chatice filosófica.
O Prémio Chato, recorde-se, começou a ser atribuído em 1997, e desde então já distinguiu vários autores maçantes. Fica aqui a lista de vencedores até ao presente ano.

1997 - Martin Heidegger
1998 - Georg Wilhelm Friedrich Hegel e Jean-Paul Sartre (ex-aequo)
1999 - São Tomás de Aquino (recusou o prémio por motivos religiosos)
2000 - Martin Heidegger (o único que, até agora, venceu dois prémios)
2001 - Gilles Deleuze
2002 - Edmund Husserl
2003 - Fernando e José Gil (o júri não sabia qual dos dois irmãos tinha escrito Mimésis e Negação, resolvendo assim atribuir o prémio a ambos)
2004 - José Mourinho
2005 - Immanuel Kant

Eterno Entorno

3 comentários:

T. M. disse...

hihihihih :) voces andam inspirados, andam a ler o q afinal? :)

Eterno Entorno disse...

Tio Patinhas, mais a Obra Completa do Peninha em 10 Tomos. E, nos intervalos, a Auto-Biografia do Cavaco Silva. Hilariante.

T. M. disse...

hehehehehe :)